• Kelly Possebon

Historicamente setembro pode ser a SUA OPORTUNIDADE. Saiba por quê.

Atualizado: Set 16



Setembro tende a ser o pior mês do ano para os retornos do mercado de ações americano.


O mercado de ações não sobe em linha reta...


Retrações são uma parte natural e saudável do ciclo, especialmente em um ano como este, quando o mercado está em alta, mas os investidores veem muita incerteza nos próximos meses.


Como explicarei hoje, eles seriam loucos se não retirassem alguns lucros da mesa. Mas isso não significa que o rali está cancelado. Longe disso...


Lembre-se de que o alongamento de junho a agosto ofereceu o melhor retorno de três meses para o índice S&P 500 em um ano civil médio. Setembro é, em média, o pior. Mas se 2020 (e 2021) seguir o exemplo, ganhos ainda melhores podem estar à frente.


Vamos olhar mais de perto.


O rali que vimos desde o fundo do poço em março é simplesmente incrível. Em um ano normal, um investidor que colocasse dinheiro para trabalhar no final de maio teria um retorno médio de 3% nos três meses seguintes. Este ano, esse número explodiu com um ganho de 15%.


Os ganhos do verão são geralmente seguidos pela realização de lucros em setembro. O S&P 500 normalmente cai 1% no mês. Você pode ver os retornos médios mensais no gráfico abaixo:



Observe outra coisa. A melhor corrida de três meses é novembro, dezembro e janeiro. (Ele cruza o ano civil.) Desde 1928, esses três meses juntos totalizaram um ganho médio de 3,3%.

Mas não estamos apostando apenas nas médias históricas aqui. Outras forças estão elevando as ações ...


O Federal Reserve mudou fundamentalmente o jogo, jogando uma quantidade incrível de liquidez nos mercados financeiros.


O corte nas taxas de juros e a introdução de veículos para fins especiais deixaram o sistema cheio de dólares. E o Fed, liderado pelo presidente Jerome Powell, também nos disse que está disposto a deixar a inflação ultrapassar sua meta de 2% por algum tempo antes de aumentar as taxas novamente.


Agora, o banco central provavelmente não permitirá que a inflação ultrapasse 2% enquanto estiver abaixo desse limite. Mas o Fed garantirá que o alvo esteja bem entrincheirado antes de se mover. Alguns governadores já sugeriram que a inflação deverá atingir pelo menos 2,5% antes mesmo de se discutir a mudança de política.


Portanto, taxas super baixas apoiarão o crescimento econômico por algum tempo. Mas vai haver solavancos ao longo da estrada.


Veja a recuperação do mercado da crise financeira de 2008-2009. Você pode ver no gráfico abaixo como o mercado atingiu o fundo do poço em março de 2009. O banco central e o governo demoraram mais para reagir durante a desaceleração e foram mais lentos para introduzir a liquidez.


E entre o final de agosto e meados de outubro, teve três quedas acentuadas de cerca de 3% a 7% antes de encerrar o ano em alta.


Eu não ficaria surpresa em ver um cenário semelhante acontecendo este ano.


Dado que é setembro, muitos gestores de dinheiro e operadores de caixa de Wall Street estão concentrados no final do ano. Eles querem ter certeza de que estão tendo um bom desempenho em relação aos seus benchmarks. Afinal, é assim que eles são pagos.


Portanto, se você está indo bem em algumas posições, como tecnologia, nunca é demais tirar as fichas da mesa. E, dado que este ano corre o risco de um resultado eleitoral incerto, por que esperar que o resultado seja vendido quando você pode fazer isso em uma alta? Como diz o velho ditado de Wall Street: "Ninguém nunca quebrou tendo lucro."


Em outras palavras, é melhor ter dinheiro em mãos para perseguir uma ideia mais uma vez ou comprá-la em um retrocesso, do que não ter feito nada e vê-la cair.


Portanto, por pior que possa parecer a recente queda do mercado, é preciso que haja retrocessos. Não se deixe abalar. Os investidores de sucesso pensam em como a economia e o mercado de ações estarão nos próximos 8 a 12 meses. E então, eles investem nesse potencial.

Já estávamos presenciando uma explosão no setor imobiliário americano. As taxas baixas estimulando as compras de casas. As pessoas querem se mudar das cidades. Os construtores administraram melhor os estoques, criando escassez de oferta.


E isso é bom para a economia. Essa indústria é responsável por cerca de 18% da produção econômica total, de acordo com a National Association of Homebuilders. Sem levar em conta todos os negócios auxiliares que se beneficiam em um mercado imobiliário em ascensão. Tudo isso cria empregos. Portanto, se eles estão crescendo agora, pense em onde o crescimento doméstico deve estar em seis a oito meses.


Além disso, estamos nos aproximando de uma vacina aprovada contra o coronavírus. Sim, será cercado de debate político. E sim, muitas pessoas hesitarão em aceitá-lo. Mas estamos progredindo. O caminho é para a frente em vez de para trás. À medida que mais e mais indivíduos forem capazes de retomar suas rotinas diárias "normais", eles gastarão mais e aumentarão a demanda por bens. Isso também criará empregos.


As perspectivas econômicas estão melhorando. Isso é um bom presságio para a América corporativa e os lucros daqui para frente devem continuar a apoiar uma alta no índice S&P 500.


O que a maioria não está prestando atenção no mercado baixista


Jerome Powell tem um objetivo em mente como presidente do Federal Reserve, dar o pontapé inicial na economia americana a qualquer custo.


Powell anunciou recentemente planos de injetar até US$ 6 trilhões na economia dos EUA.

Agora, todos esses dólares flutuando estão ajudando as empresas a superarem a pandemia de hoje. E com taxas de juros recorde, as empresas podem contrair dívidas baratas para se manter à tona.


Isso levou a uma explosão massiva nos preços dos ativos. E assim foi, com as ações disparando desde as mínimas de março até novas máximas de todos os tempos.

Acredito que o recuo mais recente dará lugar a altas “ainda mais altas”. Mas há outro efeito colateral para o enorme estímulo monetário de Powell.

É um mercado baixista ao qual poucos estão prestando atenção, mas com enormes implicações.


Deixe-me explicar...


Colocar mais dólares no sistema não apenas faz com que os preços dos ativos subam. Também pressiona o valor do dólar americano.


Quando você aumenta o número de dólares disponíveis, significa que esses dólares valem menos. É o outro lado das políticas de dinheiro fácil. E isso faz com que o valor do dólar caia.

Não surpreendentemente, foi exatamente isso o que aconteceu desde que o Fed começou a injetar dinheiro no sistema em março. Dê uma olhada...


O gráfico acima mostra o U.S. Dollar Index ("DXY"). É o valor do dólar versus uma cesta de outras moedas globais importantes. E é a maneira mais fácil de rastrear o valor do dólar em tempo real.

Você pode ver que o índice atingiu um pico acima de 102 em março. Desde então caiu totalmente, mais de 10%.


Isso pode não parecer muito. Mas as principais moedas tendem a se mover em um ritmo glacial. Um declínio de mais de 10% ao longo de alguns anos seria novidade... Acontecer em menos de seis meses é chocante.


No entanto, esse declínio provavelmente ainda não acabou. Powell colocou ainda mais pressão sobre o dólar no mês passado, quando fez um discurso no Federal Reserve Bank de Kansas City. Ele deixou claro que o dinheiro fácil veio para ficar.


Veja, o Federal Reserve historicamente tem como meta a inflação de 2%. Como há anos temos pouca inflação, o novo plano de Powell é provocar uma inflação acima de 2%. O Fed quer ultrapassar a meta antiga, e planeja manter a inflação acima de 2% por um tempo.

Tudo isso significa que o Fed manterá as políticas de dinheiro fácil em vigor, pelo tempo que for necessário. E isso vai colocar mais pressão sobre o dólar americano ao longo do caminho.

Isso já causou uma queda no mercado do dólar, que poucos percebem estar acontecendo. E é quase certo que continuará.


Como investidor, você precisa aproveitar o que está acontecendo. Há muitas maneiras de fazer isso...


E mais, uma das melhores maneiras de lucrar com a queda do dólar para os americanos, são as ações de mercados emergentes.

Bons investimentos!

IMPORTANTE: Essa é uma opinião pessoal e não caracteriza nenhuma indicação particular de investimentos.

0 comentário